importância da vírgula

A importância da vírgula na transcrição é bastante evidente.

Escrever

  • “não, foi assim”; ou,
  • “não foi assim”

altera completamente o discurso.

Na wescribe temos um guia de transcrição que disponibilizamos aos Transcritores, no sentido de perceberem as nossas regras, incluindo algumas dicas de pontuação e de gramática.

No entanto, há uns tempos fomos questionados acerca do uso da vírgula e os motivos que levam à sua ausência no nosso guia.

Vistas bem as coisas… há alguma razão de ser nesta dúvida.

Por isso decidimos escrever um pouco sobre o assunto, de maneira muito geral, mas com algumas regras que podem ser úteis.

A. O que é a vírgula?

A vírgula é um sinal de pontuação que marca uma pequena pausa no texto e separa elementos de uma oração ou orações entre si dentro da mesma frase.

No “Prontuário Ortográfico e Guia da Língua Portuguesa” de Magnus Bergstrm e Neves Reis (2011) – cujo excerto disponível pela Bertrand se deixa aqui – é feita uma distinção entre o ponto e a vírgula.

  • O ponto – marca o final de um período simples ou composto na escrita e representa, quanto à língua falada, uma pausa máxima.
  • A vírgula – empregue para separar elementos dentro de uma oração ou orações incluídas no mesmo período, representa, quanto à língua falada, uma pausa curta.
Leia também  5 trava-línguas de difícil verbalização

 

B. Regras do uso da vírgula

No Prontuário atrás identificado são elencadas 13 regras de uso da vírgula, que a seguir deixamos, apresentando ainda alguns exemplos.

Preparados?

1.O sujeito nunca deve ser separado do predicado por vírgulas;
Exemplo: “O António, gosta de cães” – ERRADO.

2. O verbo e o complemento direto nunca são separados por vírgula;
Exemplo: “A Inês viu, um gato no restaurante” – ERRADO

3. Separam-se por vírgula os elementos de uma oração com a mesma função sintática quando não ligados por conjunção;
Exemplo: “O dono do restaurante foi insultado, injuriado, ofendido, vilipendiado por não deixar entrar cães”.

4. O vocativo é isolado por vírgula;
Exemplo: “Não brinques com o gato, filha, está sujo”

5. O aposto é isolado por vírgula;
Exemplo: “Os cães, animais muito inteligentes, são os únicos a entrar em espaços públicos”.

6. Coloca-se depois dos advérbios “sim” e “não” quando estes, em princípio de oração, se referem a uma oração anterior;
Exemplo: “Não, não levo o Bóbi que ele não está quieto”.

7. Colocam-se entre vírgulas palavras ou frases intercaladas numa oração, cuja construção e sentido se apresentem independentes da intercalada;
Exemplo “O Mário, diz-se, vai servir coelho ao almoço”.

8. Separa orações coordenadas (exceto quando ligadas pela conjunção e), geralmente as introduzidas por mas, nem, ou, logo, porém, portanto (se intercaladas devem isolar-se por vírgulas);
Exemplo: “O Come e Cala aceita cães, porém, não quer aranhas”.

9. Usa-se para isolar as orações relativas explicativas ou apositivas;
Exemplo: “A Maria, que viveu na serra, sabe ordenhar vacas.

10. Separam-se, em geral, por vírgula, as orações subordinadas adverbiais em especial quando ocorrem no início do período
Exemplo: “Se levarem o Tico com açaime, talvez não haja problemas”.

11. Separam-se algumas expressões com gerúndio ou particípio passado que equivalem a orações;
Exemplo: “O Tareco, estando cada vez mais gordo, não precisa de comer carne”.

12. Usa-se para separar o nome de lugar, quando se data um documento;
Exemplo: “Coimbra, 2 de Março de 2018”

13. Costuma separar-se por vírgula (ou dois pontos ou ponto) o vocativo com que se iniciam cartas, requerimentos, etc.
Exemplo: “Caro Transcritor,”

Pode ver mais regras aqui.

C. Exemplos (com humor) da falta que uma vírgula faz

 

Posto isto:

  1. Conseguiu perceber o erro em todos?
  2. Acha que temos algumas vírgulas mal postas neste texto 😉 ?
  3. Ah!!! E claro, recorda-se deste exemplo quase obrigatório nas escolas primárias acerca do uso da vírgula? Consegue dar-nos as versões possíveis?
  4. O senhor Alfredo, estando no fim da vida, escreveu o seu testamento. Infelizmente não teve tempo de pontuar e faleceu. O texto era o seguinte: Deixo os meus bens à minha irmã não ao meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres. A quem deixava ele a riqueza? À irmã, ao sobrinho, ao alfaiate ou aos pobres?
  5. Conte-nos tudo ali nos comentários e… até à próxima.
5
Comments
  1. Vanessa Carvalho

    Por acaso, não me recordo de ter feito este exercício na escola. Confesso que sou fã de vírgulas.
    As possíveis versões que consegui encontrar são as seguintes:
    1- Deixo os meus bens, à minha irmã não, ao meu sobrinho jamais, será paga a conta do alfaiate, nada aos pobres.
    2- Deixo os meus bens à minha irmã, não ao meu sobrinho, jamais será paga a conta do alfaiate, nada aos pobres.
    3- Deixo os meus bens, à minha irmã não, ao meu sobrinho, jamais será paga a conta do alfaiate, nada aos pobres.
    Infelizmente, não encontrei uma alternativa que faça os pobres aspirarem a alguma parte da herança.

  2. Olá Vanessa,

    Mas olhe que os pobre também têm direito à herança (ainda que com o apoio de outra pontuação 🙂 batota da nossa parte. Devíamos ter alertado desse facto).
    1. Versão do alfaite – a sua (muito bem conseguida só com recurso às vírgulas) ou esta: “Deixo os meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate! Nada aos pobres.”
    2. Versão da irmã – a sua ou esta:” Deixo os meus bens à minha irmã, não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.”
    3. Versão do sobrinho – mais uma vez a sua ou esta: “Deixo os meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho! Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.”
    4. Versão dos pobres – “Deixo os meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho, jamais. Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres!”

    :DDDDDD

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *