Transcrever um ficheiro de áudio traduz-se na transposição para escrita daquilo que se ouve. E apesar de parecer algo simples a verdade é que abarca uma série de questões que é preciso ter atenção, sobretudo erros ortográficos.

Leia também  4 erros mais frequentes em português

Um dos grandes problemas da transcrição é que não basta saber ouvir: é necessário saber escrever.

E se a grande maioria das pessoas que se candidatam a transcrever têm bons conhecimentos de ortografia a verdade é que, às vezes, seja por distração, por necessidade de despachar o trabalho, por falta de revisão ou puro desconhecimento, se cometem lapsos ou erros que, não sendo corrigidos, causam dores a quem lê.

Os mais comuns resultam de paragramas e a língua portuguesa “ajuda” a que isso aconteça.

Mas o que são paragramas? Simples: são erros ortográficos que resultam da troca de uma letra por outra.

E se já é mau lermos palavras mal escritas em decorrência destes erros em cenários comuns do dia a dia, torna-se imensamente pior quando em causa está um trabalho que exige total rigor como a transcrição (seja entre o que é dito e escrito, seja no que é escrito).

Vejamos alguns exemplos:

  • Conselho e concelho

Esta confusão/lapso (no fundo paragrama quando é erro) ocorre mais vezes do que era suposto e faz-nos sempre levar as mãos à cabeça. Sobretudo quando, por exemplo, em causa está uma transcrição para uma Câmara Municipal.

Já imaginaram o que é um ata resultante de uma transcrição que tem constantemente a palavra conselho para se dirigir à divisão administrativa do território daquele município?

Relembremos as diferenças:

  1. Conselho com S refere-se a um aviso, a uma sugestão de algo a fazer ou seguir ou a um grupo de pessoas com funções deliberativas como o conselho de ministros.
  2. Já concelho com C diz respeito a uma divisão administrativa do território, como um município.

Resumindo: não se dão concelhos nem conselhos. 😀 Mas podem pedir-se conselhos acerca do concelho onde decidir residir.

Exemplos muito práticos:

  1. Achas que telefone ao meu pai a pedir um conselho acerca do que fazer nesta situação?
  2. Gosto muito de viver no meu concelho: tem boas infraestruturas e as pessoas são simpáticas.

 

  • Troca do i e do e em determinadas palavras

Uma vez que em muitas situações o e se lê como i, há diversas palavras que acabam por ser mal escritas o que, sinceramente, não ajuda nada a um bom trabalho.

Exemplo: Previlégio quando o correto é privilégio.

Vamos lá ver: se usar o word como ferramenta de escrita raramente cometerá este erro (se a revisão estiver configurada para português e tiver esta opção ativa, claro está). Isto porque o word depara-se com o erro e avisa-o com aquela risquinha irritante a vermelho.

No entanto, se usar outra ferramenta é provável que nem se dê conta do erro. E isto porque muita gente diz mal a palavra, acabando por escrever da mesma da forma como diz e ouve.

Lembre-se: é um privilégio aprender e usar o que aprende de forma correta: e privilégio escreve-se com i.

 

  • Há erros que resultam da troca das letras s por z ou vice-versa

Exemplos práticos:

  1. Escrever visinho quando o correto será vizinho.
  2. Ou atraz em vez de atrás (aqui o erro é duplo porque além da troca do z ainda falta o acento. Ou assento?*).
  3. Ou meza em vez de mesa. Ou vizita em vez de visita.

 

  • Assento e acento

Não confundamos:

  1. Assento com dois s indica um banco, uma cadeira. É aquele objeto que serve para colocarmos o nosso rabo quando queremos, precisamos de descansar (ou trabalhar, também).
  2. Já acento com c refere-se a um sinal gráfico usado nas palavras para indicar a sílaba tónica: acento agudo, circunflexo ou grave (um dia destes falaremos sobre a importância dos acentos na transcrição).

Portanto, como vê, uma coisa não tem nada a ver com a outra.

 

  • Ah, e já que falamos do “nada a ver”…

Por favor nunca escreva “nada haver” sem ter a certeza de que é mesmo isso que quer escrever.

  1. “Nada a ver” é usado quando queremos dizer que algo não está relacionado, que não diz respeito a certa coisa.
  2. Já “nada haver” significa que não tem nada a receber, nada a reaver: por exemplo: “quando fui despedida tudo me foi pago pelo que não tenho nada haver”.

Podemos jurar aqui: se há erro que nos faz pensar duas vezes em dispensar um transcritor é este.

Leia também  Guia para ser muito rico ou (sendo realista) 5 dicas para aumentar a produtividade ao fazer transcrições

Lembre-se: em caso de dúvida consulte um dicionário. Se quiser teremos todo o gosto em sugerir alguns dos melhores e totalmente gratuitos.

Na weScribe todos os nossos trabalhos são revistos por uma pessoa diferente do transcritor responsável. Cada palavra é (re)lida e estamos sempre disponíveis para – em caso de potencial lapso – proceder à correção sem qualquer custo ou encargo para o cliente.

Ponha-nos à prova.

0
Comments

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *